Reflexão: O que nos motiva?

O que te motiva

Reflexão!

Hoje, enquanto esperava na cadeira de uma clínica me deparei refletindo sobre a minha vida. Quando decidi me dedicar a vida de concurseira não sabia o caminho árduo que me esperava, apenas tinha noção, apenas ouvia falar, apenas via as pessoas se sacrificarem. Concurseiro é um ser diferenciado. Ele almeja um sonho, um ideal: passar no concurso. Ele transforma esse ideal em lema de vida. Passa a se dedicar integralmente buscando conhecimento em todos os instrumentos possíveis e imagináveis.

Frequenta cursinhos, grupos de estudo, sites de internet e bibliotecas tudo em busca de seu ideal. O concurseiro, depois de muito estudo, começa a perceber que não há limites para o conhecimento. É preciso expandir o que sabemos, pois só assim alcançamos o objetivo. Com isso tudo, vem a megera: a tal ansiedade. O concurseiro se torna ansioso, preocupado, pois em determinado período o medo toma conta de sua vida. O insucesso sempre é uma palavra que fica querendo perseguir o concurseiro, mas esse, no fundo, sabe que nunca será alcançado por tal expressão.

Em algumas manhãs (várias, na verdade) mais precisamente quando abro o meu olho tão devagar, querendo os 5 minutinhos a mais,  fico pensando. Ainda imersa na sonolência, o que há de tão mais interessante fora daquele lugar aconchegante… É nesse momento que doses de bom-senso vêm em meu socorro e se apoderam da minha consciência. Trazendo à tona tudo aquilo que preciso fazer: horários a serem cumpridos, textos e mais textos a serem lidos acompanhado de questões que parecem não ter fim. Felizmente, porém, logo me dou conta de que, embora os travesseiros sejam extremamente sedutores, existe lá fora um mundo que quero mais ainda. Afinal, como diz o mestre budista Lama Michel Rimpoche, “não é óbvio acordar a cada manhã”. É uma nova chance da qual nem sempre nos damos conta do quanto pode ser preciosa.

Pensamento

E  vem de novo em meu pensamento, naquela mesma cadeira na sala de espera: o que faz as outras pessoas pularem da cama? O compromisso marcado? Algo banal como a vontade de fazer xixi? A ambulância passando na avenida? A vontade de viajar? De ganhar dinheiro? O receio da desaprovação alheia? O medo de sucumbir à penumbra das próprias angústias? O anseio de aprender? A vontade de ser uma pessoa melhor do que foi ontem? Motivações podem ser curiosas e ocultar desejos até de nós mesmos.

Pensar no que nos move a continuar a cada dia é importante, e me leva à conclusão (meio óbvia, concordo). Não são apenas as grandes decisões que norteiam nossas vidas (como casar, seguir uma carreira profissional, comprar uma casa, ter ou não ter filhos). Seja na profissão ou na vida pessoal, a cada dia criamos cenários, fazemos planos. Tomamos decisões (mesmo que não seja de forma clara) que parecem pequenas, momentâneas, mas vão se somando e formando o desenho de nossas vidas. O que nos “motiva a ação”, nos move, são desejos, basicamente. O que cientistas dizem, porém, é que nem sempre o que buscamos de forma ardorosa até é aquilo que nos satisfaz – pode haver um descompasso.

O mais importante disso tudo é que esse texto não é somente para aqueles “concurseiros”, mas para todos que se sentem desmotivados em alguma parte da vida. Com base nessa reflexão espero que todos nós percebamos, o que é mais importante pra nós.

A hora é agora, vamos em frente: não desista e faça acontecer!

“Seja você quem for, seja qual for a posição social que você tenha na vida, a mais alta ou a mais baixa. Tenha sempre como meta muita força, muita determinação. Sempre faça tudo com muito amor e com muita fé em Deus, que um dia você chega lá. De alguma maneira você chega lá.” Ayrton Senna da Silva