Ansiedade: o mal do século

Todo mundo tem?

Quando fui diagnosticada com TAG o meu psiquiatra me disse que a ansiedade faz parte da vida de todos. Descobrir qual é o nosso ritmo das coisas é de uma sabedoria enorme sobre nós mesmos e um exercício sobre o que queremos para a nossa vida!

Para quem não sabe, TAG significa Transtorno de Ansiedade Generalizada e ela é um estado de ansiedade crônica. Eu, desde pequena sempre fui ansiosa. Quando a família falava em viajar, eu já começava a pensar na viagem 1 ano antes dela acontecer, e isso sempre foi uma característica que minha mãe percebia e se preocupava.

A medida que fui crescendo e com as mudanças que ocorrem na vida, esse sentimento deixa de ser natural e passa a ser motivo de preocupação de verdade.

Alguns comparam a ansiedade com um apêndice: Todo mundo tem, mas em alguns a coisa vai inflamar!!

Movimento slow e a sua importância

No mundo moderno estamos em estresse constante. Se no passado o normal seria fugir de um leão ou de um tigre de vez em quando, nós temos que matar um leão por dia. Quando não damos um intervalo para esse sistema de alerta, ele acaba sendo sobrecarregado e gerando problemas para nossa vida. Dessa forma, a ansiedade deixa de ser uma função normal e passa a se tornar uma doença. Isso porque  seus sintomas simplesmente saem do nosso controle.

Vamos encarar: precisamos de uma revolução “slow” (devagar, em inglês) mais do que nunca! O mundo está preso na aceleração. Trabalhamos rápido, falamos rápido, pensamos rápido, comemos rápido.. às vezes me pego querendo ler o começo de um texto pelo final para avaliar se realmente vale a pena. Isso não é normal, definitivamente.

Fazer tudo com pressa claramente é uma loucura. Nossa saúde, dieta e relacionamentos sofrem. Cometemos erros no trabalho. Temos dificuldade em relaxar, aproveitar o momento e até em ter uma boa noite de sono.

Nosso vício em velocidade é tão grande que estamos até tentando acelerar coisas que são, por natureza, projetadas para nos desacelerar. Outro dia vi em algum anúncio na internet uma aula de ioga acelarada. Oi? É por isso que o movimento slow, que convida as pessoas a desacelerar, está crescendo rapidamente. Isso me deixa feliz!

Milhões de pessoas estão adotando uma abordagem mais lenta à comida, por exemplo,e consequentemente comendo melhor. A filosofia slow significa fazer tudo na velocidade certa – rápida ou lenta ou o ritmo em que você funciona melhor. Em outras palavras, você não precisa largar a carreira ou jogar o celular para desacelerar. Pode pegar leve, em qualquer lugar.

De mandeira geral, acho que temos que tentar entender nossos medos mais frequentes, angústias cotidianas e dificuldades para lidar com os percalços da vida. É uma bom começo, não?

Cortar o mal pela raíz

Como no exemplo bobo do apêndice, do início deste texto, uma vez que a ansiedade adoece não adianta esperar – o melhor é procurar o mais breve possível orientação médica (psiquiátrica) para que o diagnóstico correto impeça o quadro de piorar. Na minha última crise, não dei importância para os sintomas. O que aconteceu? Chegou ao ponto de não conseguir mais sair de casa, e um novo diagnóstico na lista: transtorno de pânico.

A parte ruim disso tudo é conseguir aceitar que tudo será igual e nada vai mudar. A correria do nosso dia a dia não vai melhorar por que estamos ansiosos. Então fica combinado o seguinte: temos que agir agora, e não ficar esperando um futuro idílico que nunca chega. Somos ensinados o tempo todo a ocupar nossa mente, a nos manter produtivos, a não ficar parados. Mas, se soubermos lidar melhor com nossos pensamentos, aliviaremos em grande medida o estresse!

No primeiro sintoma, a dica é única: Procure um médico. Não deixe o mal se instalar. O tratamento é bem específico para cada paciente, e em geral não apenas com remédios que se trata a doença. Terapia, atividades físicas, meditação e coisas que te dão prazer são exemplos de atividades que ajudam e MUITO quem sofre de ansiedade.

 

O que tirar disso tudo

É da natureza humana estar em permanente aprendizado, adquirindo conhecimento e agregando valor aos vários tipos de abordagens culturais e pessoais. Mas o grande problema dos nossos dias é a ausência de limites. Estamos cada vez mais comandados pelas pressões externas, subjulgados pelas imposições dos diversos grupos sociais.

Raras são as vezes que pensamentos em nós. Não costumamos refletir sobre o que realmente nos interessa e em geral tomamos decisões sobre extrema pressão ou fazemos as nossas atividades de maneira errada. O resultado? Você já sabe: Desejamos fazer de tudo um pouco e não fazemos nada. Meus amigos, o nosso corpo não suporta tanta pressão, quem dirá nossa mente! 

A mensagem que queria passar diante de tudo o que foi dito é:

Sejam cautelosos! Vigiem suas reações e monitore os seus anseios de vida. Se auto-questione todo o tempo: É isso mesmo o que eu quero? Vigiar os nossos pensamentos, as nossas ações faz a diferença no final das contas. No final vocês verão que a ansiedade diminuirá.

Não deixe que o trabalho, o estudo, os afazeres tomem conta da sua vida, tanto a ponto de não sobrar tempo conversar com seus amigos, de visitar e estar presente em datas importantes de sua família, e de não sobrar tempo para o seu lazer… Organize o que é prioridade para você, o que é importante em sua vida! Organize-se de modo que possa atender aos desejos de seu coração também!

Espero que tenham gostado do post de hoje.

Beijos, e avante!