TAG: Look at Me

Os looks que usei no festival:

Vocês pediram, é uma ordem! Recebi várias mensagens lá no Insta querendo saber de onde eram as peças que usei nos 2 dias de Rock in Rio. Como foi a minha primeira vez no festival, optei por um look confortável e mais podrinho mesmo. Lia bastante a respeito nos grupos de interacões e o pessoal reclamava muito do calor durante o dia, então não tive dúvidas: Short!!!

 

As blusas comprei no Mercado Livre e mandei customizar com Vânia Mayre. Para quem é de Recife, fica a dica!!! Ela customizou as minhas duas blusas do festival e é muito caprichada!!! A Vânia é formada em Design de Moda e tem um ateliê onde realiza as suas customizações e peças autorais. Para quem ficou curiosa, segue o link do blog dela e também as redes sociais!!! Muito amor pela minha camisa!

Blog Estima da Moda 

Facebook

 

Deu pra ver que priorizei o conforto nas idéias, né? O tênis foi essencial e entrou como item poderoso de styling: esse cano mais alto, por exemplo, é um super curinga, vai tanto com looks básicos a vestidos bem femininos, ajuda inclusive a modernizar o modelo folk.

O short foi Renner, e ele é super molinho, não é aquele jeans grudento e desconfortável e o tênis, já havia comentado aqui que é da Via Mia. Eu fiquei impressionada: aguentei mais de 10h de festival sem uma dor no pé! Via Mia, eu te amo! hahaha

Segundo dia:

No segundo dia, a mesma coisa! Escolhi um look também confortável e descolado para curtir! Optei por um short de paetês preto (também da Renner), afinal um pouco de brilho não faz mal a ninguém, né? Na foto não dá pra ver, mas ele tinha brilho SIM!

 

 

O colete eu customizei com a ajuda do meu namorado. Ele fez o desenho com caneta própria para tecido, e eu colei os patches! Os patches adquiri na loja Toca dos Bordados, além dos preços serem super ok, a entrega foi foguete!!! Chegaram muito rápido e eles ainda enviaram um brinde pra mim!

Como queria usar o colete, a customização da camisa foi mais leve, com o detalhe em couro sintético, e um top por baixo com tiras na frente.

Os dois óculos também são da Renner (já perceberam que sou Renner Addicted, né?). Tênis Adidas e Mochila da C&A que me salvou horrores a viagem toda.

 

É isso! Espero que vocês tenham gostado do post! Não vejo a hora de voltar em 2019 pro Rock in Rio. É realmente uma experiência mágica, principalmente para os amantes da música!

Beijos e até o próximo post!

 

God Save the Queen: tributo do Queen chega ao Brasil

O grupo God Save The Queen desembarcou em Recife ontem, dia 04 de Junho no Teatro Riomar para mais uma apresentação da sua turnê “Don’t Stop me Now”. A banda conquistou fama de ser a versão mais fiel do Queen original e são conhecidos por usar vestuários, instrumentos e cenografias semelhantes aos que animaram os fãs na década de 1980 e hoje conta com mais de 20 anos de carreira. Iniciada na Argentina, ela chama atenção de fãs de diversas partes do mundo e faixas etárias devido às semelhanças até mesmo físicas dos integrantes com a banda original. O argentino Pablo Padín impressiona ao lembrar Freddie Mercury, inclusive na forma de cantar (que voz!). No seu novo espetáculo (que por sinal tem o nome da minha música predileta deles)- Don’t Stop me Now- eles reúnem os melhores clássicos do Queen num show para turnê mundial de 2017, e possuem um aparato de itens idênticos aos da banda original, a começar pelo cantor que além da voz, mostra uma surpreendente semelhança de modo de andar, se vestir e até de se comportar no palco durante toda a sua apresentação.

O grupo apresenta músicas clássicas da banda como We Will ROck You, Radio Gaga, Bohemian Rhapsody, We are The Chapions, dentre outros sucessos que marcaram a época. O que mais impressiona é que Pablo Padin não apenas faz uma apresentação idêntica ao astro do rock Freddie, mas parece a sua própria encarnação. O timbre da voz se assemelha muito, não posso dizer que é igual (até porque não poderia, Freddie tinha uma voz única), mas é bastante similar e Padin compensa isso atingindo vigorosamente todas as notas. Mas ainda não era o bastante para o Freddie Mercury argentino. No clássico trecho operístico de “Bohemian Rhapsody”, ele encarou os vocais e tocou o piano, tudo ao vivo — coisa que nem o Queen original arriscava fazer no palco. Surreal!!!  Clica aqui pra ver uma apresentação deles!! 

Tudo o que rodeia a banda ajuda a recompor a atmosfera dos shows do Queen: cenário, figurino, iluminação. O resultado final é irretocável. Quatro caras trabalhando com esmero e levando o conceito de banda-tributo aos seus estertores, para poder entregar ao público aquele Queen de 1986, no auge da glória, como que numa imagem congelada no tempo. O que me leva a ficar pensativa sobre o que restou do Queen, que atualmente conta com a presença de Adam Lambert, ganhador da oitava temporada do reality show ” American Idol, como vocalista.  Posso dizer? Não dá. O menino canta bem, se esforça tenta ser o rock and roll das galáxias, mas no final é tudo pose. Para mim é um crime no rock.

Mas voltemos ao que interessa.. A banda que conta com 4 integrantes foi eleita em 2011 pela Revista Rolling Stone como sendo o melhor tributo de todos os tributos do mundo. Ela consegue criar um espaço e uma sensação de estar realmente vendo ao Queen original, e ao vivo! Sim, a banda não utiliza playback em momento algum do show, e os integrantes ocupam o mesmo espaço e a mesma formação em cena, exatamente como o grupo inglês o fazia na década de 80. Eles já rodaram pela Europa, Ásia, Americana do Norte, Oceania e ganham fama e admiração do cativo publico e fãs de Freddie Mercury e cia.

Para quem também é fã, ou gosta do Queen, eu super recomendo a ida! A banda irá se apresentar em junho nas principais capitais do Brasil. Segue lista abaixo:

  • Dia 09 de junho – Teatro Bradesco São Paulo
  • Dia 14 de junho – Auditório Araújo Vianna Rio Grande do Sul
  • Dia 17 de junho – Teatro Bradesco Rio de Janeiro

Eles já passaram por Fortaleza, Natal e Recife. Certamente o legado deixado pela formação clássica da banda está em boas mãos com o God Save the Queen! 

Voltem sempre a Recife e principalmente, ao Brasil.

Beijos, beijos!